Revista Alternativa

REVISTA ALTERNATIVA

5 mitos e verdades sobre as Infecções Sexualmente Transmissíveis

Com a chegada da folia de Carnaval – época em que há um aumento da chamada exposição de risco às Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) – é fundamental reforçar a importância da prevenção e dos cuidados com a saúde.

Sífilis, gonorreia, tricomoníase, HIV, Papilomavírus Humano (HPV) e herpes genital estão entre as principais IST’s. Segundo dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, em 2021, foram notificados mais de 167 mil casos de sífilis adquirida. No mesmo ano, a pasta registrou mais de 35 mil casos de Aids.

Para aproveitar as festas e bloquinhos com segurança, a infectologista Luciana Gomes Corrêa Nóbrega, que atua na Santa Casa de São Roque – gerenciada pelo CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” em parceria com a prefeitura da cidade – esclarece algumas das principais questões sobre o assunto.

  1. As IST’s sempre apresentam sintomas

Mito. Infecções, como o HIV, podem ser assintomáticas. Além disso, há a possibilidade dos sintomas demorarem um longo período para surgir. A infectologista reitera que, normalmente, as infecções causam lesões e/ou corrimentos em regiões genitais, mas também podem atingir outras partes do corpo, como as mãos, boca e olhos.

  1. É possível contrair IST ao utilizar o vaso sanitário

Verdade. Nesse caso, a profissional ressalta que as chances de contágio são mínimas, pois o contato com o assento é feito com a pele íntegra. No entanto, é importante atentar-se para alguns cuidados com a saúde íntima, como higienizar o local e lavar as mãos antes e após o uso.

  1. Beijo na boca pode transmitir IST

Verdade. Apesar do baixo risco, algumas IST’s – como HPV e herpes – podem ser transmitidas pelo beijo quando estão na fase ativa, ou seja,  apresentando lesões orais. Vale lembrar que outras formas de transmissão incluem contato com sangue contaminado e, de forma mais rara, através de mucosas com secreções infectadas.

  1. Sexo oral não transmite IST

Mito. A transmissão de IST’s pode ocorrer via sexo oral. Dessa forma, Dra. Luciana destaca que a camisinha – feminina ou masculina – deve ser utilizada em todas as relações sexuais (oral, vaginal e anal) e, no caso da existência de corrimentos ou lesões nos órgãos genitais/boca, a relação deve ser evitada.

  1. Os exames para detecção de IST’s são doloridos

Mito. Em geral, os testes são feitos a partir da coleta do sangue e os resultados saem rapidamente. A médica orienta que, ao passar por uma situação de exposição de risco, a pessoa procure um pronto atendimento para o tratamento pós-exposição e, posteriormente, a realização de exames. O diagnóstico precoce é fundamental para o início do tratamento adequado e a interrupção do ciclo de transmissão.

Sobre o CEJAM   

O CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” é uma entidade filantrópica e sem fins lucrativos. Fundada em 1991, a Instituição atua em parceria com prefeituras locais, nas regiões onde atua, ou com o Governo do Estado, no gerenciamento de serviços e programas de saúde nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Mogi das Cruzes, Itu, Osasco, Campinas, Carapicuíba, Franco da Rocha, Guarulhos, Santos, São Roque, Francisco Morato, Ferraz de Vasconcelos, Peruíbe e Itapevi.

Com a missão de ser instrumento transformador da vida das pessoas por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde, o CEJAM é considerado uma Instituição de excelência no apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS). O seu nome é uma homenagem ao Dr. João Amorim, médico obstetra e um dos fundadores da Instituição.

Siga o CEJAM nas redes sociais (@cejamoficial) e acompanhe os conteúdos divulgados no site da instituição: cejam.org.br/noticias.

Noticias Recentes